Primeiros Capítulos RSS



Mary Stuart | Primeiro Capítulo

Capítulo I Alguns nomes da realeza estão predestinados ao infortúnio: na França, é o nome “Henry”. Henry I foi envenenado, Henry II foi morto em uma justa, Henry III e Henry IV foram assassinados. Quanto a Henry V, para quem o passado já é tão fatal, só Deus sabe o que o futuro lhe reserva. Na Escócia, o nome azarado é “Stuart”. Robert I, fundador da raça, morreu aos 28 anos de uma doença prolongada. Robert II, o mais afortunado da família, foi obrigado a passar parte de sua vida não apenas aposentado, mas também no escuro, por causa de uma inflamação nos olhos que os deixava vermelhos como sangue. Robert III sucumbiu ao luto, à morte de um filho...

Continuar lendo



A Filha do Rei de Elfland | Primeiros Capítulos

I O plano do Parlamento de Erl Em seus casacos rubicundos de couro que chegavam aos joelhos, os homens de Erl apareceram diante de seu soberano, o homem majestoso de cabelos brancos em seu comprido salão vermelho. Ele se apoiou em sua cadeira esculpida e ouviu o porta-voz. E assim o porta-voz disse: — Durante setecentos anos, os chefes da sua raça nos governaram bem; e seus feitos são lembrados pelos menestréis modestos que ainda vivem de suas pequenas canções tilintantes. Mas as gerações passam, e não há nada de novo. — O que vocês fariam? — indagou o soberano. — Seríamos governados por um soberano mágico — responderam eles. — Que assim seja — disse o soberano. — Faz...

Continuar lendo



Princesa Pocahontas | Primeiro Capítulo

Capítulo I O retorno dos Guerreiros  Pela floresta tomada pela neve vieram Opechanchanough e seus bravos, caminhando tão silenciosamente quanto os flocos de neve caíam ao redor deles. De suas escápulas desciam chumaços de cabelos escalpelados que seus silenciosos donos Monachans não ignoravam. Mas Opechanchanough, a caminho de Werowocomoco para contar ao Chefe Powhatan a respeito da vitória conquistada sobre seus inimigos, não tinha certeza de que havia matado todo o grupo que ele e seus braços Pamunkey tinham atacado. A neve inesperada, caindo no fim do inverno, tinha sido soprada pelo vento para dentro de seus olhos, então não sabiam ao certo se alguns Monachans tinham conseguido escapar da vingança. E tão próximos das tendas da tribo de seu...

Continuar lendo



A Rainha do Ignoto | Primeiros capítulos

I A Funesta Os habitantes das povoações ou aldeias dormem cedo, por isso, na Passagem das Pedras, a pouco mais das dez horas da noite, só se via brilhar uma luz cuja claridade saía da janela do oitão da casa do fim da rua. Tudo mais era treva e silêncio sob a imensidade do céu estrelado. Do peitoril da mesma janela, debruçava-se um moço, chegado há pouco da cidade, a conversar com um rapazinho, que estava assentado à borda da calçada, e dizia-lhe: — O sono se esqueceu de ti, Valentim. — Sr. doutor não me conhece — respondeu o menino com vivacidade —, estou acostumado a tudo! Tenho viajado com meu pai por todo este mundão de meu Deus! Muitas...

Continuar lendo



Bambi, a história de uma vida na floresta | Primeiro capítulo

Capítulo 1 Ele veio ao mundo no meio da mata, em uma daquelas clareiras pequenas e escondidas da floresta que aparentemente ficam abertas por todos os lados, mas que por todos os lados estão protegidas. Também havia pouco espaço lá, suficiente apenas para ele e sua mãe. Ali ele se ergueu, cambaleou alarmado sobre as pernas finas, fitou abobalhado com olhos turvos que nada viam, deixou a cabeça pender, tremia muito e ainda estava completamente aturdido. — Que belo filhote! – gritou a pega. Ela passara voando, atraída pelo gemido arfante que as dores arrancaram da mãe. Então, a pega se sentou em um galho próximo. — Que belo filhote! – gritou ela agora. Não recebeu resposta e se pôs...

Continuar lendo



Sweeney Todd, o barbeiro demoníaco de Fleet Street | Primeiro capítulo

Antes de a Fleet Street alcançar sua atual importância, quando George III era jovem e antes de as duas estátuas que tocavam os sinos da antiga igreja de St. Dunstan atingirem seu apogeu — tornando-se alvo da curiosidade e espanto das pessoas do interior — havia, ao lado da sagrada construção, uma pequena barbearia, mantida por um homem chamado Sweeney Todd. Como ele recebeu o nome “Sweeney”, não sabemos dizer, mas este era seu nome, como era possível ver em letras garrafais e amareladas bem acima da vitrine de seu estabelecimento por qualquer pessoa que decidisse olhar para lá. Os barbeiros da Fleet Street daquela época ainda não estavam na moda. Não sonhavam em ser chamados de artistas, tampouco em...

Continuar lendo