Mercado editorial sofre com crise silenciosa com falta de insumos


Seguindo o nosso pensamento de sermos sempre muito transparentes quanto aos bastidores de produção do livro, hoje nós queremos falar com vocês sobre uma crise silenciosa que o mercado editorial vem enfrentando nos últimos meses: a falta de insumos. 

Passado o longo processo de produção editorial, que envolve diversas etapas de edição gráfica e textual e múltiplos profissionais, nós chegamos à fase em que o livro está pronto para ser impresso. Essa etapa é realizada pelas gráficas.

Para que essa materialização ocorra, elas contam com a matéria-prima que vai desde o item mais básico – o papel em seus diferentes tipos –, até cola, linha de costura, tinta, papelão, entre outros; materiais indispensáveis para a impressão do livro no formato que conhecemos.

O Impacto da Pandemia

Com a chegada da pandemia, houve um desabastecimento geral nos insumos do mercado brasileiro. Primeiro veio a paralisação de diversas empresas (saúde dos funcionários em primeiro lugar sempre), o que diminuiu o ritmo de produção. O segundo impacto foi o aumento do dólar.

Com a alta do dólar, muitas empresas do território nacional têm optado pela exportação do material para os países estrangeiros, já que o lucro em dólar é maior. As empresas estrangeiras, por sua vez, mantiveram seus preços que, na conversão para o Real, ficaram mais caros.

Onde os insumos foram parar?

Hoje já sabemos que existe um déficit de material para papel, papel cartão (usado na produção de livro em capa dura), papelão (usado nas caixas de transporte, afetando também a logística de entrega de produtos), cola, metal, plástico, entre outros.

As gráficas já não conseguem atender a demanda das editoras, uma vez que seus fornecedores não dispõem da matéria-prima necessária. O custo desses insumos sobe para controlar a carência e, com isso, o livro fica mais caro e leva mais tempo para ser produzido.

E compartilhando da nossa experiência, alguns dos nossos parceiros gráficos já não conseguem atender várias demandas de impressão, tendo disponibilidade apenas para Jan/Fev de 2021, quando promete-se ocorrer uma reposição de matéria-prima por parte dos fornecedores.

Com o aumento do e-commerce durante a pandemia, houve também uma altíssima demanda por caixas de papelão, fechando o ciclo da carência. 

E-commerce causa carência de insumos para o mercado

O que vamos enfrentar? 

Talvez esse pequeno panorama nos ajude a entender parte da dificuldade que o mercado editorial enfrenta hoje, em especial, no que concerne ao aumento do preço do livro e prazo de produção. Alguns editores poderão absorver essa alta, outros precisarão acompanhar os custos do mercado.

Como você pode ajudar? 

O que podemos fazer hoje é contribuir para a reposição da matéria-prima. Em vez do descarte orgânico, se possível, opte pelo envio das suas caixas de papelão e papéis para a reciclagem. Isso pode colaborar para uma melhor circulação de matéria-prima no território nacional.

Não apenas como profissionais de livro, mas também leitoras, nós esperamos a recuperação do mercado editorial frente a diferentes crises que o setor tem enfrentado. 

Agradecimentos à Gráfica Viena por nos explicar mais sobre esta crise! 


1 comentário


  • Vânia Spala

    Obrigada pelas informações! Muito bom termos esclarecimentos no que diz respeito a tudo isso, uma vez que a ansiedade pela entrega é grande… rs. Mas, prefiro esperar meses do que migrar para a versão digital. Nada substitui o prazer do cheiro de livro novo! <3
    E garanto que há anos faço minha parte separando os recicláveis_;)


Deixe um comentário


Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados











Instagram

Conheça os livros Wish!