A vida real de Pocahontas de acordo com registros orais indígenas


Publicada em 2017, The True Story of Pocahontas: The Other Side of History, escrita por Dr. Linwood “Little Bear” Custalow e Angela L. Daniel “Silver Star”, baseada na tradição oral sagrada da tribo Mattaponi, oferece uma visão mais ampla, e bem diferente, da Pocahontas real.
Pocahontas foi a última filha de Wahunsenaca (Chefe Powhatan) e sua primeira esposa, também de nome Pocahontas, com quem se casou por opção e amor. A mãe de Pocahontas morreu durante o parto. A filha recebeu o nome de Matoaka, que significava “flor entre dois riachos”. O nome provavelmente veio do fato de que a vila de Mattaponi estava localizada entre os rios Mattaponi e Pamunkey e que sua mãe e seu pai pertenciam cada um a uma das tribos, respectivamente.

Wahunsenaca ficou arrasado com a perda de sua esposa, mas encontrou alegria em sua filha. Ele costumava chamá-la de Pocahontas, que significava “aquela que é risonha e alegre”, já que ela o lembrava de sua amada esposa. Não havia dúvida de que ela era a favorita dele e que os dois tinham um vínculo especial. Mesmo assim, Wahunsenaca achou melhor enviá-la para ser criada na vila Mattaponi, em vez de em sua capital Werowocomoco. Ela foi criada por suas tias e primos, que cuidavam dela como se ela lhes pertencesse.
Após o desmame de Pocahontas, ela voltou a morar com o pai em Werowocomoco. Wahunsenaca teve outros filhos com a mãe de Pocahontas e também com suas outras esposas, mas Pocahontas ocupou um lugar especial no coração de seu pai. Pocahontas também tinha um amor e respeito especiais por seu pai. Todas as ações dos dois foram motivadas pelo profundo amor um pelo outro, seu vínculo profundo e forte. A maioria de seus irmãos era mais velha, pois Wahunsenaca foi pai de Pocahontas tarde em sua vida. Muitos de seus irmãos e irmãs ocuparam posições de destaque na sociedade Powhatan. Sua família era muito protetora e se asseguravam de que ela fosse bem cuidada.

Quando criança, a vida de Pocahontas era muito diferente da de um adulto. A distinção entre infância e idade adulta era visível tanto pela aparência física quanto pelo comportamento. Pocahontas não teria cortado o cabelo ou usado roupas até atingir a maioridade (no inverno, usava uma capa para se proteger contra o frio).
Havia também certas cerimônias que ela não tinha permissão para participar ou mesmo testemunhar. Mesmo quando criança, os padrões culturais da sociedade Powhatan se aplicavam a ela e, de fato, como filha do chefe supremo, mais responsabilidade e disciplina eram esperadas dela. Pocahontas também recebeu mais supervisão e treinamento; como filha favorita de Wahunsenaca, ela provavelmente também tinha ainda mais segurança.

Quando os ingleses chegaram, o povo Powhatan os recebeu bem. Eles queriam se tornar amigos e negociar com os colonos. Cada tribo dentro do Chefe Powhatan tinha quiakros (sacerdotes) que eram líderes espirituais, conselheiros políticos, médicos, historiadores e aplicadores das normas comportamentais de Powhatan. Os quiakros aconselharam conter os ingleses e torná-los aliados do povo Powhatan. Wahunsenaca concordou com eles. Durante o inverno de 1607, a amizade se solidificou.

O evento mais famoso da vida de Pocahontas, o resgate do capitão John Smith, não aconteceu da maneira como ele o escreveu. Smith estava explorando quando encontrou um grupo de caça Powhatan. Uma luta se seguiu, e Smith foi capturado por Opechancanough. Opechancanough, um irmão mais novo de Wahunsenaca, levou Smith de vila em vila para demonstrar ao povo Powhatan que Smith, em particular, e os ingleses, em geral, eram tão humanos quanto os índios. O “resgate” foi uma cerimônia, iniciando Smith como outro chefe. Era uma maneira de acolhê-lo e, por extensão, todos os ingleses, na nação Powhatan.

Wahunsenaca realmente gostava de Smith. Ele até ofereceu um local mais saudável para os ingleses, Capahowasick, a leste de Werowocomoco. A vida de Smith nunca esteve em perigo. Quanto a Pocahontas, ela não estaria presente, pois as crianças não eram permitidas em rituais religiosos. Posteriormente, Pocahontas consideraria Smith um líder e defensor do povo Powhatan, como chefe aliado da tribo inglesa. Ela esperava que Smith fosse leal ao seu povo, já que ele havia prometido amizade a Wahunsenaca. Na sociedade Powhatan, a palavra de alguém era um vínculo. E esse vínculo era sagrado.

Os ingleses foram bem recebidos pelo povo Powhatan. Para consolidar essa nova aliança, Wahunsenaca enviou comida para Jamestown durante o inverno de 1607-08. Fazer isso era o modo Powhatan, pois os líderes agiam pelo bem de toda a tribo. Foi durante essas visitas ao forte com comida que Pocahontas ficou conhecida pelos ingleses como um símbolo de paz. Como ainda era criança, não teria permissão para viajar sozinha ou sem a proteção e permissão adequadas do pai. A forte segurança que cercava Pocahontas em Jamestown, embora muitas vezes disfarçada, pode ter sido como os ingleses perceberam que ela era a favorita de Wahunsenaca.

Com o tempo, as relações entre os índios Powhatan e os ingleses começaram a se deteriorar. Os colonos exigiam agressivamente alimentos que, devido às secas do verão, não podiam ser fornecidos. Em janeiro de 1609, o capitão John Smith fez uma visita não convidada a Werowocomoco. Wahunsenaca repreendeu Smith pela conduta de seus compatriotas. Ele também expressou seu desejo de paz com os ingleses. Wahunsenaca seguiu a filosofia Powhatan de ganhar mais por meios pacíficos e respeitosos do que por guerra e força. Segundo Smith, durante essa visita, Pocahontas novamente salvou sua vida correndo pela floresta naquela noite para avisá-lo de que seu pai pretendia matá-lo. No entanto, como em 1607, a vida de Smith não estava em perigo. Pocahontas ainda era uma criança muito bem protegida e supervisionada; é improvável que ela fosse capaz de fornecer tal aviso. Seria contrário aos padrões culturais dos Powhatan em relação às crianças. Se Wahunsenaca realmente pretendia matar Smith, Pocahontas não poderia ter passado pelos guardas de Smith, muito menos impedido sua morte.

Como as relações continuaram a piorar entre os dois povos, Pocahontas parou de visitar Jamestown, mas os ingleses não a esqueceram. Pocahontas teve sua cerimônia de maioridade, simbolizando que ela era elegível para namoro e casamento. Essa cerimônia acontecia anualmente e meninos e meninas de 12 a 14 anos participavam. A cerimônia de amadurecimento de Pocahontas (chamada de huskanasquaw para meninas) ocorreu quando ela começou a mostrar sinais de feminilidade. Com a ausência de sua mãe, sua irmã mais velha Mattachanna supervisionou a huskanasquaw, durante a qual a filha de Wahunsenaca mudou oficialmente seu nome para Pocahontas. A cerimônia em si foi realizada de forma discreta e mais secreta do que o normal, porque os quiakros ouviram rumores de que os ingleses planejavam sequestrar Pocahontas.

Após a cerimônia, um powwow foi realizado em comemoração e ação de graças. Durante o powwow, uma dança de cortejo permitiu que guerreiros solteiros procurassem uma companheira. É provável que durante essa dança Pocahontas conheceu Kocoum. Após um período de namoro, os dois se casaram. Wahunsenaca estava feliz com a escolha de Pocahontas, pois Kocoum não era apenas irmão de um amigo íntimo dele, o chefe Japazaw (também chamado Iopassus) da tribo Potowomac (Patawomeck), mas também era um dos seus melhores guerreiros. Ele sabia que Pocahontas estaria bem protegida.

Os rumores de que os ingleses queriam sequestrar Pocahontas ressurgiram, então ela e Kocoum se mudaram para a aldeia natal dele. Enquanto estava lá, Pocahontas deu à luz um filho. Então, em 1613, foi realizado o há muito suspeito plano inglês de sequestrar Pocahontas. O capitão Samuel Argall exigiu a ajuda do chefe Japazaw. Um conselho foi realizado com os quiakros enquanto a palavra foi enviada a Wahunsenaca. Japazaw não queria dar Pocahontas a Argall; ela era sua cunhada. No entanto, não concordar significaria ataque por um implacável Argall, um ataque do qual o povo de Japazaw não poderia se defender. Japazaw finalmente escolheu o menor dos dois males e concordou com o plano de Argall, para o bem da tribo. Para obter a simpatia do capitão e possível ajuda, Japazaw disse que temia retaliação por Wahunsenaca. Argall prometeu sua proteção e garantiu ao chefe que nenhum dano aconteceria a Pocahontas. Antes de concordar, Japazaw fez mais uma barganha com Argall: o capitão libertaria Pocahontas logo após ela ser trazida a bordo do navio. Argall concordou. A esposa de Japazaw foi enviada para buscar Pocahontas. Assim que a princesa estava a bordo, Argall quebrou sua palavra e não a libertou. Ele entregou uma chaleira de cobre a Japazaw e sua esposa por sua “ajuda” e como forma de implicá-los na traição.

Antes de o capitão Argall partir com sua cativa, ele mandou matar Kocoum - felizmente o filho deles estava com outra mulher da tribo. Argall então levou Pocahontas para Jamestown. O pai dela imediatamente devolveu os prisioneiros e armas ingleses para pagar seu resgate. Pocahontas não foi libertada e, em vez disso, foi colocada sob os cuidados de Sir Thomas Gates, que supervisionou o resgate e as negociações. Fazia quatro anos que Pocahontas vira os ingleses pela primeira vez; agora ela tinha quinze ou dezesseis anos.

Um golpe devastador foi causado a Wahunsenaca e ele caiu em profunda depressão. Os quiakros aconselharam retaliação, mas Wahunsenaca recusou. As diretrizes culturais enraizadas enfatizavam soluções pacíficas; além disso, ele não queria arriscar que Pocahontas fosse prejudicada. Ele se sentiu compelido a escolher o caminho que melhor garantisse a segurança de sua filha.

Enquanto em cativeiro, Pocahontas também ficou profundamente deprimida, mas se submeteu à vontade de seus captores. Ser levada em cativeiro não era estranho, pois também acontecia entre tribos. Pocahontas saberia como lidar com uma situação dessas, como cooperar. Então, foi exatamente o que ela fez, para o bem de seu povo e como meio de sobrevivência. Ela aprendeu inglês, especialmente as crenças religiosas dos colonos, através do reverendo Alexander Whitaker, de Henrico. Seus captores insistiram que seu pai não a amava e lhe disseram isso continuamente. Oprimida, Pocahontas sofreu um colapso nervoso, e os ingleses pediram que uma irmã fosse enviada para cuidar dela. Sua irmã Mattachanna, que estava acompanhada pelo marido, foi enviada. Pocahontas confidenciou a Mattachanna que havia sido estuprada e que pensava estar grávida. Esconder a gravidez foi a principal razão pela qual Pocahontas foi transferida para Henrico depois de apenas três meses em Jamestown. Ela enfim deu à luz um filho chamado Thomas. A data de nascimento dele não é registrada, mas a história oral afirma que foi antes que Pocahontas se casasse com John Rolfe.

Na primavera de 1614, os ingleses continuaram a provar a Pocahontas que seu pai não a amava. Eles ensaiaram trocá-la por seu resgate (na verdade, o segundo resgate desse tipo). Durante a troca, houve uma briga e as negociações foram encerradas pelos dois lados. Pocahontas foi informada dessa “recusa” no pagamento de seu resgate, provando que seu pai amava mais as armas inglesas do que a ela.

Logo após a tentativa de resgate, Pocahontas se converteu ao cristianismo e foi renomeada como Rebecca. Em abril de 1614, ela e John Rolfe se casaram em Jamestown. Se ela realmente quis se converter é questionável, pois tinha pouca escolha. Ela era uma prisioneira que queria representar seu povo da melhor maneira possível e protegê-lo. Ela provavelmente se casou com John Rolfe por vontade própria, uma vez que já tinha um filho meio branco que poderia ajudar a criar um vínculo entre os dois povos. Seu pai consentiu o casamento, mas apenas porque ela estava sendo mantida em cativeiro e ele temia o que poderia acontecer se dissesse não. John Rolfe casou-se com Pocahontas para obter a ajuda dos quiakros com suas plantações de tabaco. Com o casamento, importantes laços de parentesco se formaram e os quiakros concordaram em ajudar Rolfe.

Em 1616, os Rolfes e vários representantes Powhatan, incluindo Mattachanna e seu marido Uttamattamakin, foram enviados para a Inglaterra. Vários desses representantes eram na verdade quiakros disfarçados. Em março de 1617, a família estava pronta para retornar à Virgínia depois de uma excursão bem-sucedida organizada para ganhar o interesse inglês em Jamestown. Enquanto estava no navio, Pocahontas e o marido jantaram com o capitão Argall. Pouco depois, Pocahontas ficou muito doente e começou a convulsionar. Mattachanna correu para pedir ajuda a Rolfe. Quando eles voltaram, Pocahontas estava morta. Ela foi levada para Gravesend e enterrada em sua igreja. O jovem Thomas foi deixado para trás para ser criado por parentes na Inglaterra, enquanto o resto do grupo navegava de volta para a Virgínia.

Mattachanna, Uttamattamakin e os quiakros disfarçados disseram a Wahunsenaca que sua filha havia sido assassinada. Suspeita-se de envenenamento, pois ela estava de boa saúde até o jantar no navio. Wahunsenaca afundou em desespero com a perda de sua amada filha, a filha que ele jurara à esposa que protegeria. Eventualmente, ele deixou de ser chefe supremo e, em abril de 1618, faleceu. A paz começou a se desfazer e a vida em Tsenacomoco nunca mais seria a mesma para o povo Powhatan.
Este texto é parte integrante de um Posfácio do livro Princesa Pocahontas, publicado pela Wish.

Deixe um comentário


Os comentários devem ser aprovados antes de serem publicados