No Natal, você ajuda cães e gatos! 

Ao adquirir qualquer produto na loja durante o período de 01 a 31 de dezembro, você contribui para arrecadação de ração para a ONG Confraria dos Miados e Latidos. ♥


A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo
A Jornada de um Escravo Fugitivo

Frederick Douglass

A Jornada de um Escravo Fugitivo

Preço normal R$ 60,00 Preço promocional R$ 42,00

em até 2x sem juros ou 5x no cartão ♥

Preço unitário  por 
Frete calculado no carrinho.

Nova edição em capa dura

Uma jornada necessária publicada em 1845

Frederick Douglass nasceu como escravo sob o nome de Frederick Augustus Washington Bailey, perto de Easton, no condado de Talbot, Maryland. Ele não tinha certeza do ano exato de seu nascimento, mas sabia ser 1817 ou 1818. Ainda menino, foi enviado a Baltimore, para servir dentro de uma casa, onde ele aprendeu a ler e a escrever com a ajuda da esposa de seu senhor. Em 1838, Frederick escapou da escravidão e foi para a cidade de Nova York, onde se casou com Anna Murray, uma mulher negra e livre que ele conhecera em Baltimore. Pouco depois, trocou seu sobrenome para Douglass. Em 1841, ele compareceu a uma convenção na Sociedade Abolicionista de Massachusetts em Nantucket, e impressionou tanto o grupo que eles imediatamente o empregaram como representante. Ele era um palestrante tão impressionante que muitas pessoas duvidavam que algum dia ele fora um escravo; então, ele escreveu sua primeira autobiografia. Durante a Guerra Civil Americana, ele ajudou no recrutamento de homens negros para o 54º e 55º Regimentos de Massachusetts e consistentemente argumentou a favor da libertação dos escravos. Depois da guerra, ele continuou ativo na proteção e garantia dos direitos dos homens livres. Em seus últimos anos, durante épocas diferentes, ele foi secretário do Santo Domingo Comission, marechal e registrador de ações do Distrito de Columbia, e Ministro Estadunidense para o Haiti. 

A história de sua fuga

A obra traz desde a infância de Douglass, sua vida na casa onde servia e sua fuga em busca de liberdade. Título original: Narrative of the life of Frederick Douglass, an American slave.

Diagramação com pôsteres antigos

Em épocas de medo e fúria, diversos pôsteres foram criados ao longo dos estados americanos com convenções, reuniões e protestos abolicionistas. Você conhecerá alguns deles (com tradução) ao longo do livro. 

Leia um trecho

(...) O domingo era meu único dia de lazer. Passava esse tempo em uma espécie de estupor, entre o sono e a vigília, debaixo de alguma árvore grande. Às vezes eu me levantava, um lampejo de liberdade energética disparava através da minha alma, acompanhado por um leve raio de esperança, que piscava por um momento e depois desaparecia. Eu afundava novamente, lamentando minha condição miserável. Às vezes, ficava tentado a tirar a minha vida e a de Covey, mas era impedido por uma combinação de esperança e medo. Meus sofrimentos nessa plantação agora parecem mais um sonho do que uma realidade severa. (continua no livro...)

Ficha técnica 

Dados Informações
Nome do Autor
Frederick Douglass
Tradutor
Karine Ribeiro
ISBN 978-65-88218-29-7
Páginas 160
Formato 15,5x23 cm
Capa Capa dura com verniz localizado
Miolo Papel pólen bold 90g
Edição  2ª 
Conteúdo Indicado para adultos

Customer Reviews

Based on 13 reviews
100%
(13)
0%
(0)
0%
(0)
0%
(0)
0%
(0)
A
Andrielle Gomes Macedo (GO)
Resenha Biblioteca Híbrida

Falar sobre racismo é voltar ao passado escravocrata que assolou o mundo. Os relatos autobiográficos de Frederick Douglass em sua jornada pela liberdade nos Estados Unidos do século XIX nos apresenta a escravidão sob uma versão excruciante.

Os negros não eram só objeto de posse dos brancos. Eles eram considerados animais que deveriam ser adestrados e domados por meio da violência. Eles eram mantidos propositalmente na ignorância pelos seus "senhores" a fim de não possuírem identidade nem vida própria.

Os relatos narrados em A jornada de um escravo fugitivo incomodam, ferem e quase soam como irreais frente a tamanha incredulidade que é remetida ao leitor, mas também faz entender e refletir, principalmente sobre a desigualdade racial que ainda (e infelizmente) permeia nossa sociedade.

Considero essa leitura importante e necessária, uma vez que ela não é apenas sobre a escravidão, mas sobre a esperança e a busca pela liberdade no mais alto grau de direito a felicidade do ser humano.

C
Claudio Filho (MG)
História inesquecível

Um livro simplesmente indispensável.

L
Luciene Rosa
Excelente

Livro sensacional e impactante,gostei muito da história,infelizmente retrata uma época difícil dos nossos antepassados.

R
Renata Alves (MG)
Excelente

O livro é a autobiografia de um homem escravizado desde o nascimento, que nos contará sobre como foi sobreviver dessa forma desde a infância até o momento em que consegue fugir e se tornar um homem livre que advoga pelo abolicionismo.
Frederick nasceu e cresceu no estado de Maryland, próximo a Baltimore; os seus relatos sobre as violências físicas, psicológicas e morais que sofreu e viu são diretos e, obviamente, muito tristes.

Através de sua história é perceptível a diferença que a alfabetização faz na vida de alguém e quão terrível também é a violência intelectual que os senhores de escravo exerciam.
A apropriação do conhecimento por uma parcela da população que se aproveita disso para garantir seu status quo no alto da hierarquia social é uma realidade até hoje, vide a constante falta de investimentos na educação pública e incentivo a leitura e pensamento crítico.

O conhecimento que Frederick adquiriu o ajudou a fortalecer e embasar todas as indignações e questionamentos que já alimentava internamente. A educação foi o início da sua liberdade.

Por mais que tenhamos o conhecimento desses fatos históricos, e a certeza de sua atrocidade, vê-los através dos olhos de quem sobreviveu a essas torturas é uma experiência forte que deveria ser passada por todos, principalmente nós brancos, que nunca vivemos na pele as violências diárias que são reflexos racistas que a sociedade ainda carrega.
@livro.na.mala

C
Camila Fernandes (SP)
Antigo e atual

Sei que é clichê chamar um livro de "mais atual do que nunca", mas essa história da época da escravidão o é. Ela narra o esforço hercúleo de um homem negro para manter a sanidade e a dignidade dentro de um sistema criado para desumanizá-lo, além de sua luta para conquistar a liberdade. Vai doer, mas leiam mesmo assim.

G
Giordano Bruno (MG)
Excelente história!

Sensacional a história,e um caso real, torna tudo ainda mais dramático.

B
Berenice Mello (SP)
MARAVILHOSO

LIVRO FANTASTICO
QUEM NÃO LEU DEVE LER.
E MANTER VIVA COMO O SER HUMANO PODE MUDAR PARA PIOR OU MELHOR DEPENDENDO COM QUEM CONVIVE.

C
Camila Pinheiro (RO)
Melhor biografia que já li.

Lendo a biografia de Frederick Douglass, pensei no quanto o que sabemos sobre escravidão é superficial e romantizado, e no quanto é importante manter essas obras vivas, para que não esqueçamos das atrocidades que o ser humano pode cometer, e não repeti-las. Precisamos preservar essas memórias. A crueldade com esses pobres seres humanos me provocaram ânsia e me fez sentir vontade de abraçar esse homem, sentar numa varanda com ele, bebendo um bom café e aprendendo como ser mais humana. É um dos melhores livros que já li e tem um lugar especial no meu relicário literário. Recomendo fortemente.

M
Márcio Serdeira (AM)
Triste e real

É uma história que é impossível pensar no que o autor passou e no que outras pessoas ao seu redor passaram. Recomendo.